Colaborador da Buriti desenvolve galpão sustentável em Santarém

 

Materiais utilizados pelo mestre de obras para construir espaço de apoio no Residencial Cidade Jardim são transportáveis e reutilizáveis

Lançado no início de 2020, o Residencial Cidade Jardim, loteamento localizado em Santarém, no Pará, está com as suas obras em ritmo acelerado. Ao longo do processo de construção, um dos colaboradores da Buriti Empreendimentos idealizou uma iniciativa sustentável, que foi muito bem aceita pela equipe e pela empresa.

SantarémO mestre de obras Renê Luiz Spempozeckas, construiu, com ajuda da sua equipe, um galpão de apoio, a partir do reaproveitamento do material utilizado no canteiro de obras. A estrutura conta com um almoxarifado, refeitório, sala de administração, sala de topografia e uma área de laboratório, além de banheiro com espaço para armários individuais.

Para a construção, foram utilizados materiais que possuem uma capacidade de reaproveitamento de até 80%, além disso o galpão pode ser facilmente remontado e transportado na próxima frente de serviços.  “Utilizei materiais como telhas galvanizadas, parafusos autotravantes, e uma mistura de metal com madeira, tudo para facilitar a operação e reduzir custos”, explica Renê. O armário dos colaboradores, que ainda vai ser construído, também será reaproveitável e transportável.

Os diretores da Buriti, Sidney Penna e Moisés Carvalho, ficaram admirados com a resolução do colaborador. “Não poderíamos deixar de enaltecer um projeto que contribui não apenas com a logística de obras da empresa, mas também com a preservação de recursos, ponto essencial para a recuperação do meio ambiente”, afirma Sidney.

Moisés reitera que a iniciativa favorece Santarém, que está sob o maior reservatório de água doce do mundo. “A cidade se destaca por suas belezas naturais, tornando, portanto, a obra sustentável do galpão ainda mais relevante quanto à preservação ambiental. O loteamento possui, inclusive, amplo projeto de área verde, com espécies replantadas segundo o PRAD (Plano de Recuperação de Áreas Degradadas)”, completa.

Voltar ao topo